Vive e trabalha em Sao Paulo.

 

Filha e neta de pintores, Silvia se formou na FAAP e ampliou sua formação trabalhando em ateliers

de artistas no Brasil e na França.

Em sua primeira individual, organizada na Pinacoteca do Estado de São Paulo em 1994, recebeu

o premio Revelação de Pintura da APCA. Desde 2000, destacam-se as individuais mera esfera espera espinho, apresentada no Museu de Arte Moderna da Bahia, no Museu de Arte do Rio Grande do Sul

e no Espaço Cultural dos Correios (Rio de Janeiro), em 2003, e na Galeria Raquel Arnaud, em 2004;

em 2005 apresentou ouriças na Estação Pinacoteca (São Paulo) e em 2007 realizou individual na Galerie Sycomore Art, em Paris. Em 2009 integrou a mostra libérer l’horizon, reinventer l’espace na Cité Internationale des Arts (Paris), e expos  vídeo-instalação olódòdó, no Museu de Arte Moderna da Bahia (Salvador).

Participou também de inúmeras  exposições coletivas desde a década de 1990 entre elas O Traje como Objeto de Arte, no Palacio das Artes (Belo Horizonte) e na Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa), ambas em 1990; e Viagens e Identidades (United Artists V), na Casa das Rosas (São Paulo, 1999).

Entre 2000 e 2008, além de exposições coletivas,  como Ópera Aberta, na Casa das Rosas(2002),

e Natureza Morta/Still Life, na Galeria de Arte do Sesi e no Museu de Arte Contemporânea de Niterói (2004), integrou Arte Contemporânea, uma Historia em Aberto, 2004, Transparências (2007) e Entre

o Plano e o Espaço (2008), organizadas pela Galeria Raquel Arnaud.

A partir de 2014 integra o grupo de artistas da galeria Eduardo Fernandes, onde expõs em 2016 a serie  foi tão corpo que foi puro espírito.

silvia mecozzi